segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Sensações


Eles haviam combinado de se encontrar na praça central da cidadezinha. Nesse dia, tinha uma manifestação, mas não sabiam a razão dela. O fato é que centenas de pessoas estavam nessa praça, balançando suas bandeiras de qualquer cor, algumas crianças tomando sorvete e outras comendo algodão doce, os risos e os sorrisos estavam estampados nas faces das pessoas que ali estavam, e o sentimento de alegria irradiava, gerando um sentimento-inconsciente-de-felicidade-plena.
Ele não sabia que ela já estaria lá, esperando por ele. Que ela teria se antecipado ao horário combinado. Ao passar o portão de entrada da praça (era uma dessas praças parecidas com a Plaza Mayor de Madrid, só que menor), de longe identificou, no canto coberto esquerdo da praça, onde costumeiramente ficavam dispostas as mesas dos dois cafés e um restaurante dessa praça, a mulher. Aquela mulher com aqueles olhos amêndoas, e aquele olhar possível e indizível somente a partir daqueles traços únicos e próprios de uma beleza delirante. Mas esses olhos estavam, fixamente, olhando outros olhos bem a sua frente. Mesmo sem perceber a presença dele ali, chegando na praça, esse olhar dela para o outro se apartou com uma frase, que ele não conseguiu entender. Ele tentou ler aqueles lábios pequenos, macios e sabor d’mel, mas não conseguiu, pois sua visão era lateral.
Ele apertou o passo, cruzou por aquele com quem ela trocava um olhar, olhou friamente nos olhos do outro, dando aquele recado com o olhar nada despretensioso sobre “a quem” pertencia(?) àquela mulher.
Aproximou-se dela, e de pronto a puxou pelos cabelos, na nuca, com uma pegada violentamente sutil, e a faz dar três passos para trás até esbarrar numa coluna logo atrás.
- Estás linda.
- É essa sensação que me deixa assim...
- O que estavas fazendo?  
- Olhando as pessoas.
- Umas mais do que outras?
Pausa para aquele olhar puro (ou mentiroso) e tranqüilizador, ainda com a cabeça inclinada, pois a mão dele ainda segurava seus cabelos e ele continuava a apertando, sutilmente, contra a coluna: - Não há com o quê se preocupar.
Com aquele olhar desconfiado, ainda que minimamente: - Não estou preocupado.
- O quê preciso dizer ou fazer para acreditar que és contigo que quero fugir?
Ele apenas a olha, fixamente, solta os cabelos dela, rendido por aquele olhar e pela forma com que escutava aquelas palavras... Não pensa. Não consegue pensar diante daquela presença inebriante... 
Ela segura o rosto dele, pousando aquelas mãos suaves e delicadas em sua face, olhando e dizendo: - Te quiero.

Ao fundo, o violão flamenco de Paco de Lucía, com a música “Rio Ancho”.

AMatzenbacher

8 comentários:

  1. Quantas referências! Como é instigante ler o outro a partir de suas personagens: Pertencer - Violentamente sutil - Desconfiado - Fugir - Rendido - Não pensa - Te quiero!
    E essa atmosfera latina é tudo! Acho que já nascemos impregnados dela!
    Adorei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Alexandre, meu blog mudou para

    http://andreatpm.blogspot.com/

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Bah, você nasceu para os escritos não jurídicos.

    Muito bom o texto!

    Esses olhares distraídos...

    bjo gde

    ResponderExcluir
  4. Bem, já temos três interessados para o encontro em Floripa. A Fer quer saber o que será... rsrs
    Eu, como gosto de números ímpares, a partir daí já está ótimo! hahahah
    Ocorre que terás que fazer a pauta e angariar mais adeptos para o encontro ser produtivo o suficiente para que queiramos promover a segunda edição.
    Eu estarei em Floripa de 21 de outubro a 03 de novembro e de 20 de dezembro a 17 de janeiro.
    E tu vens do norte para o sul qdo?
    Se isso for sair mesmo, terei que fazer reservas, etc...
    Acho que teremos que fazer propaganda do 1º Encontro Brasileiro Interblogs... mas se fores gremista o nome já não vai dar! rsrs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Lú e Érika,
    muito obrigado pelo incentivo!!!
    Beijos e boa semana! Ou o que restar dela ainda.

    PS: Vamos realizar esse encontro "interblogs" sim, na mesa de um bar, à beira do mar, falando de amar...

    ResponderExcluir
  6. Que intenso!
    Ótimo o blog, Alexandre :D

    Bjo!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o texto e intenso!
    bjos.

    ResponderExcluir
  8. "Te quiero" foi para fechar com chave de ouro! Texto envolvente! beijão *-*

    ResponderExcluir